quarta-feira, 24 de julho de 2013

Pequenos rebeldes...

... sempre que acontece uma situação mais perturbador com os miúdos, fico sempre pensativa e, de certa forma, apreensiva, em relação ao resultado da educação que os pais dão aos seus filhos... 

... da experiência que tenho, que pode até não ser muita, mas já lido com crianças há alguns anos, tenho vindo a sentir, que os pais, atualmente, não têm demonstrado o mesmo pulso firme que os pais de outrora... muitas vezes têm dificuldades em dizer "Não!", em impor-se, em mostrar que afinal são eles que mandam... por vezes, sinto que chegam a ter medo de contrariar os seus próprios filhos...

... não sou especialista no domínio (longe disso...) e nem sequer tenho filhos (mas lido com crianças diariamente...), por isso acredito que, para que uma criança cresça socialmente saudável tem de haver regras, limites, punições quando essas regras não forem cumpridas... sem esses limites, sem essas regras, estaremos a criar um verdadeiro "pequeno ditador", um rebelde que acreditará piamente que nunca será contrariado e que por isso, terá tudo de mão beijada... e, se há coisa que não suporto é esse tido de miúdos... não suporto mesmo, conseguem tirar-me do sério... 

... ontem, posso dizer que tive de sair várias vezes da sala para apanhar ar, para não "me passar de vez"... a miúda tem apenas 6 anos, passou agora para o 2º ano (confesso que não sei como, visto que não sabe ler, não sabe o abecedário... limita-se a escrever o seu nome...), só estive com ela nas férias da Páscoa e agora, na pausa de verão e não tenho visto melhorias na sua aprendizagem, o que me está a preocupar... até que nos últimos dias, comecei a perceber que aquela menina, apesar de ter um ar angelical, é afinal um daqueles miúdos mimados, que apenas fazem aquilo que lhes apetecem... e em conversa com o pai sobre a atitude da miúda, em que lhe expliquei que estive boa parte do tempo a tentar levá-la a fazer algo (como pegar no lápis, por exemplo...)... e tentar é mesmo o verbo mais acertado, porque a menina fazia de conta que nem me ouvia, limitava-se a olhar para o caderno... (nesse momento já eu estava em modo "inspira-expira-inspira-expira"... para não me "passar da boneca")... o dito pai olhava para a filha e dizia com voz suave e olhar terno "então F. não trabalhas? Vais ficar de castigo..." e a miúda ria-se... e ainda acrescentou "eu até já lhe tirei o telemóvel..."

....ela tem 6 anos, meus amigos, 6 anos... onde isso irá parar???

Sem comentários: