terça-feira, 21 de maio de 2019

Deixar ir*

Às vezes, é preciso distanciarmo-nos para nos "vermos" melhor. Olhar bem para dentro de nós. Deixar doer o suficiente para que essa dor nos ajude a reerguer as vezes necessárias. 

Nessa montanha russa que é a vida, as descidas fazem-nos ter consciência da nossa fragilidade e de que nem sempre as cicatrizes se curam com o tempo. 

É preciso mais. Muito mais do que [simplesmente] tempo. É preciso paciência. Resiliência. Afeto. Empatia. Amor-próprio. Coragem.

Aprender a viver com novos conceitos. Novas realidades. Aprender a aceitar isso tudo e, saber deixar ir.

Deixar ir

E céus, como custa tanto deixar partir!

terça-feira, 23 de abril de 2019

domingo, 31 de março de 2019

Fomos ao circo*

Hoje, fomos ao circo. Já não ia ao circo há anos. E quando vi que o Gonçalo trouxe um bilhete grátis da escola para o circo Flic Flac Circus, pensei que seria uma boa oportunidade de o levar a assistir ao seu primeiro espetáculo de circo. 

E o resultado foi, sem sombra de dúvida, positivo. 

Um espetáculo muito diversificado, repleto de momentos divertidos, que aliás, arrancaram umas belas gargalhadas ao Gonçalo.. 

A presença de algumas personagens dos desenhos animados das crianças, como o Panda, o Patrulha Pata, a Frozen... foi o pronto alto dos pequenos, que vibraram de cada vez que apareciam. 

Ao longo do espetáculo, dei por mim a pensar em toda a logística que aquelas pessoas têm de ter diariamente para nos presentear com o que de melhor sabem fazer. Vivem, praticamente, com a casa às costas, numa roda viva de terra em terra, num arma-desarma-tenda. É pena que nem sempre se consiga atribuir o devido valor às pessoas que vivem dos espetáculos de circo, porque merece muito o nosso respeito e reconhecimento. 

Que espetáculo maravilhoso!









terça-feira, 19 de março de 2019

PAI

Três letrinhas com tanto significado. Três simples letras recheadas de tanto amor.

Hoje, é mais um dia para recordar com carinho, com o coração a transbordar de afeto, de saudade e com a certeza de que a vida, apesar de tudo, fez as coisas bem feitas... Entregar ao Gonçalo o melhor pai... aquele que cuida dele para além do visível!

Um pai que habita no mundo dos sonhos. Um pai que protege lá de cima... do céu!

Hoje, começamos o dia a falar do pai. Do que ele fazia, do que ele gostava... E o Gonçalo olhava para mim, muito sério... Acredito que não consiga perceber bem isso do pai estar no céu. Acredito que ainda é tudo muito vago, mas acredito que um dia tudo fará sentido e este pai de quem tanto ouve falar será o seu maior orgulho, a sua presença constante... porque o importante é saber fazer da ausência... presença... Sempre!

Feliz Dia do Pai ❤️



PAI
{Para Amar Incondicionalmente}

sábado, 16 de março de 2019

À volta dos livros*

A aventura à volta dos livros proporciona imensas viagens e descobertas. Explorar os nossos sentidos, saltar pelo mundo da diversão é o impulso para usufruir de momentos fantásticos e inesquecíveis.

É isso que se vive nas tardes de Oficina Kids. 

Hoje com a companhia especial das primas. ♡













E como o Dia do Pai é já terça-feira... houve certificado para o Melhor Pai do Mundo ✩


sexta-feira, 15 de março de 2019

Okapi*

Com tantos estímulos tecnológicos que nos inundam hoje em dia, sobra pouco tempo para as atividades mais simples. Aquelas que requerem mais dedicação, mais destreza.

Neste sentido, e tendo eu em casa um pequeno que faz bem jus ao nome "geração touch", vou procurando introduzir no dia a dia atividades mais divertidas e didáticas ligadas à motricidade, à agilidade, concentração...

Para além das mais variadas tarefas que podemos fazer com os nossos filhos em casa, como ajudar a cozinhar, ir pondo a mesa, ajudar a arrumar, limpar... também é divertido, aproveitarmos para desenvolver jogos que os ajudem a tornarem-se mais ágeis e mais atentos.

A Okapi produziu uma caixa cheia de cor e de diversão, na qual podemos encontrar várias atividades ligadas ao método Montessori {que adoooroo!}, que ajudam a estimular a criatividade dos nossos filhos.

Nós já recebemos a nossa primeira caixa e... adoramos!

A caixa está recheada de atividades que englobam diversos domínios como a pintura, a parte sensorial, a motricidade fina, a criatividade...

São iniciativas como estas que fazem faltam... e a Okapi está de parabéns... pois, a melhor forma de uma criança aprender é quando brinca*!!!





segunda-feira, 11 de março de 2019

O Monstro das Cores*

Cada vez mais, numa sociedade tão frenética como a nossa, vamos descurando a nossa parte emocional.. deixamos para segundo plano as emoções. 

É frequente não "termos tempo" para perceber as emoções inerentes a determinado comportamento. Rotulamos uma birra como um capricho. Um ato desafiador. Enervamo-nos quando os nossos filhos desatam aos berros sem razão aparente... e só pioramos a situação!

Para trabalhar as emoções de forma divertida com o Gonçalo, comprei o livro, já bastante conhecido, O Monstro das Cores

Este livro é muito simples, prático e objetivo. Apresenta as principais emoções que sentimos ao longo de um dia... o medo, a calma, a felicidade, a raiva... associadas a cores, o que torna ainda mais divertido o momento da leitura e aprendizagem.

O Gonçalo já conseguiu integrar os exemplos do livro no dia a dia.. ainda ontem, chamei-o a atenção para determinada situação e ele disse "Estás zangada?". Achei maravilhoso! É a prova de que, as crianças são mais receptivas ao trabalho das emoções do que aquilo que julgamos.

Para além de um momento divertido, em que incutimos a importância do hábito da leitura, também trabalhamos a educação emocional da criança, que é essencial para formarmos futuros cidadãos de bem com a vida. Capazes de saberem gerir as mais diversas emoções que sentirão. Ensinar as crianças a criar empatia para com os outros. Saberem olhar com atenção para o outro e perceber o que o este está a sentir.

Com o Gonçalo faço o jogo das expressões faciais. Vou mudando a minha expressão facial e ele associa à emoção correspondente. Quando eu mostro medo, ele abraça-me... e, perante isso, penso  que não há muito mais a acrescentar. ♡




sexta-feira, 8 de março de 2019

O dia 8*

No dia do batizado do Gonçalo, o Padre referiu que o dia do nosso batismo deveria de ser comemorado todos os anos. Como se de um aniversário se tratasse. Porque foi o dia em que "nascemos" para a vida cristã. 

Crenças à parte, gosto de recordar este dia. De o relembrar pela simplicidade que nos caracteriza. Pelo amor que nos acompanhou {e acompanha} e pelas boas recordações que nele se espelha. 

Foi no dia 8 de março de 2015. Um dia marcante nas nossas vidas. Na do Gonçalo. E, na de todas nós, mulheres... porque não há coincidências e o dia 8 de março será sempre um marco nas nossas vidas

Feliz dia, xuxu.

Feliz dia, a todas nós!


terça-feira, 5 de março de 2019

sábado, 16 de fevereiro de 2019

"Brincando" com as emoções ♡

Hoje, as emoções deram cor aos beijinhos
                               Oficina Kids. 

Muito bom. Como sempre. ♡






Obrigada I.M. pelo registo ♡

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Amar ♡

Hoje, celebra-se o Amor. O calendário assim o dita. 

Hoje, por onde quer que se olhe, vemos corações. Na rádio, só se ouve "Feliz dias dos Namorados". As redes sociais estão inundadas de casais apaixonados. Apregoa-se o amor aos sete ventos. 

Hoje é o meu terceiro Dia dos Namorados sem o meu. E, hoje... está a ser o mais difícil de enfrentar.

Não deveria ser. Afinal, é o terceiro. "Uma pessoa habitua-se". Mas, não. Não nos habituamos. A ausência será sempre colossal, mesmo que, na maioria dos dias, vai-se vivendo "melhor". 

Hoje, quando fui ao cemitério, não pude deixar de constatar que estavam algumas mulheres, de rosas na mão, a caminhar para junto do local onde repousam os seus namorados. Namorados estes já de longa data. Todas essas mulheres já tinham uma idade avançada. Eu era a mais nova. Bem mais nova. Mas estávamos lá todas com o mesmo intuito. Lembrar o nosso amor. Recordá-lo. Manter vivo aquilo que nos une. Passe o tempo que passar. 

A determinada altura, uma senhora pergunta a outra "Também vens namorar?". Achei aquilo tão bonito. Tão genuíno. Tão real. E apesar das lágrimas me escorrerem pelo rosto, apesar dessa dor inexplicável, também eu tinha lá ido com o mesmo propósito. O Amor

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Educar com MindFulneSs ↬

Educar é uma tarefa árdua. As queixas dos pais perante as birras dos filhos é a prova de que educar um filho requer muito de nós. Muita paciência. Tempo. Disposição.  E, num mundo acelerado como o nosso, cuidar de um filho {ou dois, três...} nem sempre é fácil. 

Acredito que, a partir do momento em que aceitamos que as birras fazem parte do desenvolvimento dos nossos filhos, que são uma forma que eles têm de manifestar que algo não está bem, as coisas podem começar a fluir naturalmente. Claro que há dias em que estamos com mais paciência e até corre bem, e temos outros em que nem os podemos ouvir. Claro. Como tudo na vida, nada é linear. Há altos e baixos. E é importante sabermos viver nesta montanha russa que é a vida [muito mais vertiginosa depois de se ser mãe/pai] de forma consciente. 

Tenho lido o livro Educar com mindfulness, e cada vez mais, percebo a importância dos pais estarem bem para poderem transmitir essa tranquilidade aos filhos. Termos consciência de que os nossos filhos são um todo e não representam "a" birra, "o "mau" comportamento. 

Num dos capítulos do livro, a autora coloca a questão, que muitas vezes também nos colocamos:
"Porque se porta mal o meu filho?"

Muitas vezes {demasiadas vezes, até}, colocamos o nosso foco no "como" e esquecemo-nos do "porquê". Há muito a necessidade de encontrar o como resolver a birra, e não procuramos saber o porquê da birra.

O Gonçalo, por norma, faz uma soberba birra, ao final do dia. Fica chato, aborrece-se com tudo. E, claro o primeiro pensamento que surge é "como vou parar isso?". Mas, a verdade é que, nessa altura, essa questão em nada ajuda {muito pelo contrário}, porque o foco deveria estar direcionado para o "porquê" daquela birra. E, aí é muito simples. Ele está cansado, já não faz a sesta de tarde, por isso, tem sono e só quer é regressar a casa. Geralmente, até adormece no carro. Lá está a razão da "birra". Sono. 

Muitas outras situações acontecem em que já vou percebendo as razões por detrás daquelas manifestações, e já nem me chateio muito. Porque, efetivamente, há sempre uma razão. Eles não berram porque sim.

E aqui é que o nosso papel é fundamental. Aprender a adotar uma parentalidade consciente em relação às necessidades dos nossos filhos é uma ferramenta importante para que o comportamento deles também mude. 

O Mindfulness é uma arma poderosa em vários domínios da nossa vida. E na educação ajuda a tornar o processo {muitas vezes} difícil de educar um filho num momento mais sereno, em que descomplicar é a palavra-chave... aliás, como tudo na vida ღ