quarta-feira, 26 de abril de 2017

A ti...

Há, quase 4 meses, que me despedi de ti... quase quatro meses que não te vejo, não ouço a tua voz, que não te toco, que não te sinto... 

Há quase quatro meses... 120 dias sem te ver!! Bolas, nunca ficamos mais do que um dia, vá dois, na loucura, sem estarmos juntos... queixava-me sempre quando chegavas de um turno da noite e eu já tinha saído e já não te via há muitas horas... tu rias-te da minha tolice! E lá vinhas ter comigo para um beijinho rápido...

Há quase quatro meses, que chego a casa e ela está vazia.... vazia de ti, de nós!

Há quase quatro meses, que não vês o teu filho crescer, que não vês as novas aquisições dele... como adorava que o visses a comer sozinho, parece um homenzinho, como gostava que o ouvisses a cantarolar ou a tocar viola... sabes, ele adora tocar viola... acho que vai dar músico... esquece lá isso de ele jogar à bola, acho que a minha esperança de ser uma Dona Dolores foi por água abaixo...

Sabes, pode parecer parvo eu escrever-te, sabendo que provavelmente não irás ler {vamos acreditar que lês, como sempre o fizeste}, mas sabes que sempre tive mais queda para escrever do que para falar... e tu dizias "Escreve, mulher!", quando ficava muito tempo sem escrever no blogue... no outro dia, descobri um texto do blogue que escrevi no dia dos teus anos, e que tu imprimiste e guardaste... é mais um sinal de que faz todo o sentido escrever-te, porque ao fazê-lo sinto que tu estás perto... 

Nem sempre consigo escrever o que vai cá dentro, não é fácil passar para palavras o que sinto... e tu perguntarias "E o que sentes? SAUDADES... muitas saudades, bolas, tantas saudades tuas... 

Saudades de tudo... de ti, de nós os dois, de nós os três...

Lembras-te quando eu dizia que detestava quando fazias noite, porque ficava sozinha com o menino? Ironia da vida, não é? Agora estamos sozinhos SEMPRE!! Eu sei, eu sei, estás sempre conosco, mas não é a mesma coisa... não te vejo, não te toco, porra!!!

O nosso pequeno também sente a tua falta, à maneira dele, mas sente... ainda hoje, no elevador, entrou o vizinho de baixo e ele agarrou-se a ele... bolas, que merd@de vida é essa que tira a um filho um pai fantástico como tu?!?

Hoje apetece-me dizer-te que, apesar da minha vida estar desfeita em cacos, de não conseguir ver sentido no que nos aconteceu, de não conseguir sentir que a dor atenua com o tempo... apesar de, muitas vezes, me sentir uma merd@, de me sentir perdida, apesar disso tudo e, se tu realmente estás a ver, sabes disso... apesar disso, faço de tudo para que tenhas orgulho na tua mulher... porque sabes que não é fácil gerir tudo, sozinha... não é fácil tratar da casa, das contas, do Gonçalo, do carro, do trabalho, das vicissitudes da vida, sozinha... não é fácil educar um filho, sozinha... fazer escolhas, sozinha... eu tento, juro que eu esforço-me para conseguir dar conta do recado... que eu esforço-me para que te sintas orgulhoso da pessoa que escolheste... 

Mas "estás mais amarga", dirias... sim, estou! Mais sem paciência para queixumes banais, mais sem paciência para pessoas que passam a vida a lamentar-se... tento {nem sempre consigo} forcar-me em mim e no menino... tento não ligar a determinados pormenores que me matam por dentro, tento viver a vida que me calhou, que foi perfeita enquanto cá estiveste... perfeita amor, tão perfeita que dava por mim a pensar que era bom demais para ser para sempre...

És o meu tudo!

PS: Amo-te!



2 comentários:

Mariusky Spínola disse...

Não a conheço, mas oh! como lamento... Espero que depois deste golpe cruel da vida ela realmente a vá compensando... A si e ao seu Gonçalo, porque ainda assim, ainda que vos compense, nunca será o suficiente... Mta força, para os 2!💙

A Vida a Três disse...

@ Mariusky Spínola Obrigada de coração!