quinta-feira, 6 de julho de 2017

Aprender a perder

As nossas vidas estão repletas de vitórias e de derrotas... vamos perdendo umas coisas e vamos ganhando outras... mas, a verdade é que não estamos habituados a perder... nunca estamos preparados para perder, muito menos para perder alguém que amamos... nunca!

Face à minha recente perda e à dificuldade de a encarar, senti necessidade de pedir ajuda profissional... não tenho problema nenhum em afirmar que, sim, preciso de ajuda... sim, fui a uma psicóloga... sim, tomo medicação! E não, não sou assim tão forte como aparento... 

Ao escrever no blog, pretendo não só desabafar, mas também {quiçá} ajudar alguém que esteja na mesma situação do que eu e que encontre aqui um testemunho sem medo, sem rodeios... genuíno!

Sempre pensei que conseguiria enfrentar tudo sozinha, sem ajuda de médicos ou medicação... sabia que ia custar, mas sentia que conseguiria... vou falando com os meus, obviamente, podem não ser muitos, mas são os meus, aqueles que se mantêm firmes ao meu lado, nem que seja só isso, estar do meu lado, sem falar, sem julgar... simplesmente estar!

Faz-me bem falar, mas sinto que me torno aborrecida e não quero ser a amiga chata que passa a vida a falar do mesmo... por isso, e após alguns incentivos para o fazer, resolvi marcar consulta de psicologia... detesto não ter controlo nas minhas emoções, não gosto de chorar em frente às pessoas, não gosto que vejam que sofro, não gosto que tenham pena de mim... sinto-me fragilizada quando isso acontece... por isso, abafo o choro... escondo-me atrás de um sorriso... mas, sinto que não estou a conseguir...

Por isso, decidi pedir ajuda, e no sábado, fui à consulta... porque sabia que ia ser um dia complicado, porque tinha tido uma semana péssima por estar a pensar, exatamente, nesse dia... 

Foi a primeira vez que fui a uma consulta de psicologia... inicialmente, senti-me mal por começar a chorar mal comecei a falar, cheguei a pedir desculpa por isso, mas afinal estava lá para chorar, para desabafar, para, como diz o meu irmão "despejar o saco"... e assim foi!

Efetivamente, a psicóloga disse que o "meu saco" está demasiado cheio... cheio de mágoa, de saudade, de dúvidas, de raiva...

Ao longo da nossa conversa, a psicóloga mostrou-me que todos estes sentimentos são "normais" para quem está a passar por uma situação de perda como a minha... mostrou-me também que carrego muita pressão sobre mim, que não posso ter sempre controlo sobre as minhas emoções, que tenho de chorar, gritar, resmungar quando sentir que tenho de o fazer... tenho de dizer quando algo não me agradar e não "engolir o sapo"... tenho de ser fiel aos meus princípios e focar-me em mim, pensar em mim!

Infelizmente, sou assim, dou demasiada importância aos outros, ao que dizem, ao que fazem, ao que pensam e, por mais que faça um esforço para não ligar, ligo e ligo muito...

Tenho uma longa caminhada pela frente, uma busca do meu novo eu... tenho de aprender a conviver com o verbo perder ... tenho de aprender que na vida perde-se e ganha-se, e foi isso que também percebi na consulta... que estou a dar muito espaço ao pessimismo, ao desânimo na minha vida, e que acabo por não ver as minhas pequenas vitórias...  governar a minha casa {sozinha}, criar e educar o meu filho {sozinha}, desenrascar-me perante as adversidades do dia a dia {sozinha}, tomar decisões {sozinha}...  coisas que não imaginaria ser capaz de fazer sozinha!

Há dias em que o sol teima em não aparecer, em que as nuvens cinzentas ocupam demasiado espaço, em que o silêncio é ensurdecedor, em que o vazio enche demasiado o peito... mas, prometo a mim mesma que vou tentar dar mais espaço aos dias mais coloridos... prometo que vou tentar focar-me em mim... prometo que vou tentar não ligar a certas coisas que me magoam, prometo que vou tentar não engolir sapos... prometo que vou tentar ser feliz!

2 comentários:

Susana disse...

Hoje é o primeiro dia da tua nova vida... e a minha promessa para ti é a de que eu prometo que serás capaz!

A Vida a Três disse...

Sempre presente... "um dos meus"... obrigada por acreditares mais do que eu 💗