quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional**

***
Cada um de nós sabe o que é ter dor... uma dor de cabeça, dores musculares ou dor de dentes... é algo inevitável... a vida é feita de momentos de dor... umas mais intensas do que outras, umas mais persistentes, outras esporádicas... e como tudo na vida, temos duas opções... ou aguentamos a dor, e a nossa vida torna-se um inferno, ou fazemos algo para a atenuar ou, quiçá, eliminar...

Essas dores, a priori, são dores fáceis de suportar... mas, existem outras dores que vão surgindo ao longo da nossa vida... e essas, são bem mais difíceis de se lidar... essas ficam cravadas em nós de tal forma que não há ben-u-ron que nos valha... essas passam a ser crónicas... dói e irá doer sempre, não há volta a dar...

Por mais que o tempo passe, a dor continua... fica ali a remoer... como quando temos aquela pedrinha no sapato que teima em não sair... está ali e vamos ajeitado o pé a ver se dói menos... e lá vai ficando num cantinho mais suportável, durante uns tempos, mas sabemos que está ali, porque de vez em quando, lá a sentimos...

Eu sei que terei sempre comigo essa dor... mas, como sempre tenho dois caminhos: ou mergulho de cabeça nessa minha dor e sofro a vida toda, ou ergo-me e tento trilhar o meu caminho, olhando para a frente e enfrentando com coragem e determinação, o que a vida escolheu para mim...

O que quero dizer com isso, é que essa dor da perda, que tanta gente tem, que EU tenho, fará sempre parte de mim, mas posso escolher se quero que esta dor se torne no meu sofrimento... e toda a gente sabe que uma vida de sofrimento é muito difícil de ser vivida...

E o que faço para atenuar o meu sofrimento? Bem, para além de ajuda médica e psicológica, que têm sido fundamentais nesta fase... também procuro evitar o sofrimento... se sei que algo não me fará sentir bem, simplesmente não faço, não vou... se fosse, noutra altura, pensaria no que iriam dizer por eu não ir, não fazer... hoje, procuro pensar em mim, procuro fazer aquilo que me faz bem, independentemente dos comentários alheios... A vida é demasiado efémera para fazermos o que não queremos... muito curta para sofrermos!

E sei que é assim, que pensaria o meu Jorge... porque ele é o exemplo de que a  a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional... apesar de todo um diagnóstico muito reservado, de saber que a doença estava a vencer, ele nunca optou por sofrer... Ele chegou a dizer-me {a única vez que falamos abertamente da doença}, que sabia que morreria da doença, mas que não queria perder qualidade de vida... a dor sempre esteve lá, via-se que estava, mas ele continuava a viver como se não estivesse, lutou sempre para que a dor não se tornasse no seu sofrimento!

1 comentário:

Su disse...

E assim te vejo "crescer" e te admiro cada vez mais 😙