quarta-feira, 11 de abril de 2018

#Ser Feliz todos os dias**

Retomei a leitura {embora ainda a ritmo lento}. Mudei o registo. Se outrora, optava por livros mais ligados ao luto, à superação da perda, ao como lidar com todos os sentimentos que nos invadem e nos trespassam a alma, agora tenho dado por mim a escolher livros mais libertadores.

Um dos últimos livros lido foi o da Catarina Beato, Ser Feliz todos os dias, da autora do blogue "Dias de uma Princesa", que nos oferece um guia de felicidade para pessoas imperfeitas.

Tão eu. Já, ontem, publiquei um imagem sobre a importância de abraçarmos as nossas imperfeições, de aceitarmos que erramos, que nem sempre vemos a vida com a clareza necessária. Que, muitas vezes, não somos a mãe que idealizamos, porque o cansaço nos vence, as preocupações ocupam um lugar de destaque no nosso dia, e acabamos por não ir de encontro com aquilo que gostaríamos. E faz-nos sentir as piores mães do mundo. Mas, ser mãe é também isso, o saber abraçar as nossas imperfeições, aceitarmos que não somos perfeitas e que, apesar das dificuldades da vida, fazemos de tudo para que os nossos filhos sejam felizes junto de uma mãe, que também ela, busca essa felicidade. 

Ao longo do livro, que aconselho, vamos tendo momentos de reflexão, que nos levam a embarcar numa viagem em busca da nossa felicidade, daquilo que nos faz verdadeiramente feliz. E isso é bem mais complexo do que se pensa. 

É ter a capacidade de aceitar o que não podemos mudar. É procurar aquilo que nos preenche, e muitas vezes, isso implica sair da nossa zona de conforto. É saber agradecer, todos os dias. É procurar o melhor de cada dia, mesmo que tenha sido péssimo*. É saber que somos feitos de contradições*. É aprendermos a gostarmos de nós*. 

Porque de nada nos vale nos revoltarmos com a vida, pois, e tal como refere a autora:
A vida resolve-se sozinha*.
* Citações do livro. 

Sem comentários: